logo1

Contate-nos

icon1 Informações e Dúvidas
email Enviar email Clique Aqui
atendimento  Suporte Horário Comercial
developer Resposta em até 24 horas

Sonolência excessiva: seis problemas que podem ocasionar

Descrição - A sonolência excessiva diurna, também chamada de hipersonolência, ocorre quando o indivíduo tem uma vontade incontrolável de dormir ou cochilar durante situações e atividades do cotidiano. Pessoas com esse sintoma podem apresentar irritabilidade, dificuldade de aprendizado, diminuição da motivação e do desempenho no trabalho. Estas pessoas também estão mais suscetíveis a se envolverem em acidentes de trânsito e de trabalho.

A escala de sonolência de Epworth, criada pelo especialista em sono Dr. Murray Johns, é um teste simples e rápido de ser aplicado. Ela avalia a probabilidade de um indivíduo cochilar ou dormir em oito situações do dia a dia. Ao final deste texto, você poderá fazer o teste para avaliar o seu grau de sonolência.

Os principais problemas de saúde que podem gerar sonolência excessiva são:

1. Depressão

A depressão atinge um número cada vez maior de pessoas. Homens e mulheres, de qualquer faixa etária, podem ser atingidos, porém o sexo feminino é duas vezes mais afetado. A doença caracteriza-se por um estado em que o humor fica deprimido, "para baixo". O indivíduo sente angústia, ansiedade, cansaço. Problemas de sono relacionados a essa doença podem se manifestar tanto com falta de sono (insônia) quanto com excesso de sono. O acompanhamento médico é fundamental a fim de definir o tratamento mais adequado, seja com antidepressivos e/ou com psicoterapia.

2. Medicações

Diversos medicamentos causam sonolência. Os mais conhecidos na prática clínica são os benzodiazepínicos (por exemplo, diazepam, clonazepam, alprazolam) que são de controle especial devido aos seus efeitos colaterais. Outros são os opióides, como morfina, codeína, metadona, que são analgésicos potentes, muitas vezes utilizados em pacientes com câncer e em doenças osteoarticulares (artrose). Outras medicações implicadas são antiepilépticos (fenobarbital, fenitoína, gabapentina), antipsicóticos (quetiapina, haloperidol/haldol,clorpromazina), antieméticos e antialérgicos.

As chamadas drogas Z (zolpidem, zopiclone), usadas para induzir o sono em pessoas com insônia, podem gerar sonolência residual durante o dia. Este problema é mais frequente em idosos e mulheres, e também pode ocorrer por causa do uso de doses elevadas do medicamento.

3. Doenças clínicas

O hipotireoidismo significa redução da produção do hormônio tireoidiano, que é responsável por acelerar nosso metabolismo. O nível reduzido deste hormônio leva a desaceleração do metabolismo e a sonolência. Outras doenças implicadas têm origem nos rins e no fígado, órgãos que filtram e eliminam substâncias nocivas para o organismo. Além disso, doenças que prejudiquem as funções do rim e do fígado podem permitir o acúmulo de substâncias tóxicas, que prejudicam o funcionamento do cérebro. Doenças que afetam o sistema nervoso central, como acidente vascular cerebral (AVC), trauma craniano, Doença de Parkinson, tumor ou infecções cerebrais, também causam sonolência.

4. Narcolepsia

A narcolepsia é uma doença cuja característica principal é a sonolência excessiva. Mesmo que tenha dormido bem à noite, o narcoléptico tem ataques incontroláveis de sono durante o dia, que podem ser confundidas com desatenção, depressão e até mesmo com crise convulsiva. Sabe-se que a narcolepsia é causada pela deficiência de hipocretina, um hormônio produzido no cérebro que age na regulação do sono, particularmente na fase REM, (onde sonhamos).

Além da sonolência, existem outros sintomas da doença que aumentam a suspeita do diagnóstico. Eles são:

Alucinações no início do sono: a pessoa escuta vozes ou vê objetos, porém não são reais

Paralisia do sono: dificuldade de movimentar o corpo ao despertar do sono. O paciente descreve como uma sensação muito ruim, como se estivesse presa ao corpo, sem poder se mexer

Cataplexia: é a perda súbita da força muscular, sem perda de consciência. Esse evento é o que mais se assemelha a uma crise convulsiva. A pessoa pode cair no chão e ficar completamente imóvel. O que diferencia é que a pessoa está consciente de tudo que ocorre, diferentemente de uma crise convulsiva.

O teste que faz o diagnóstico da doença é chamado de teste de latências múltiplas do sono (TLMS).

5. Síndrome da apneia obstrutiva do sono

A síndrome da apneia obstrutiva do sono (SAOS) ocasiona eventos recorrentes de obstrução das vias aéreas durante o sono, o que leva a vários despertares à noite, muitas vezes não percebidos, comprometendo a qualidade do sono e podendo levar a hipersonolência diurna. Indivíduos com essa doença apresentam roncos, paradas respiratórias, despertares com engasgo e sufocamento noturno. A SAOS é mais comum no sexo masculino e em pessoas com obesidade. Para o seu diagnóstico é necessário a realização de polissonografia.

6. Riscos da privação de Sono

Estudos demonstram que o tempo de sono ideal para reparar as energias gastas durante o dia costuma ser em média de seis a oito horas por noite. Porém, no mundo moderno o intervalo de tempo reservado para o sono está cada vez mais curto e há um preço a pagar por isso. As pessoas com privação de sono apresentam um risco maior de desenvolver diabetes, hipertensão, obesidade, dentre outros problemas de saúde.

Faça abaixo o teste de Epworth para avaliar o seu nível de sonolência
O teste de Epworth é um questionário utilizado em vários países do mundo como método de triagem para detecção de sonolência excessiva diurna. A soma vai de 0 a 24, sendo que pontuações acima de 10 determina a presença de sonolência, e pontuações acima de 16 demonstra sonolência grave.

Dê uma nota para cada pergunta com base na probabilidade de você cochilar durante as seguintes atividades:

Resultado

Some os valores correspondentes com a sua resposta. A soma vai de 0 a 18, sendo que se o seu teste apresentou um valor acima de dez indica a presença de sonolência. Um total acima de 16 demonstra sonolência grave.

Se os seus valores indicarem sonolência, ou se, mesmo com valores normais, você considerar que seu sono não é satisfatório, procure um especialista em Medicina do Sono!

Fonte:

Portal Minha Vida

anuncio afonso